Conhecida por ser um dos pilares da criptomoeda, a blockchain apesar de ter surgido junto com o bitcoin cresceu e passou a atingir outros mercados, se tornando um livro-razão imutável e compartilhável utilizado em empresas de todo o mundo para rastrear ativos e registar transações.

E foi pensando nisso que preparamos esse artigo com todas as informações sobre a blockchain. Continue a leitura para conferir.

O que é o blockchain?

É um banco de dados que consegue rastrear e registrar todas as transações, armazenando os dados de forma sequencial, simples e 100% transparente, identificando quem enviou, quem recebeu e a quantidade transferida de modo prático e imediato.

“Eu diria que a blockchain é uma engrenagem que estabelece relações de confiança no ambiente online, e essa confiança, por ser descentralizada, viabiliza relações não só com quem eu confio, mas com qualquer um, pois eu confio na tecnologia e na rede que sustentam essa distribuição”, disse Rafael Nasser, doutor em Informática e coordenador Técnico do Departamento de Informática da PUC-Rio em entrevista para a InfoMoney.

Um fator muito importante a ser considerado é que basicamente, qualquer item de valor pode ser negociado no blockchain, seja um ativo tangível (uma casa, um carro, dinheiro, terras) ou intangível (propriedade intelectual, patentes, direitos autorais e criação de marcas).

E devemos ressaltar também que ela é uma rede que pode ser acessada somente por membros autorizados. 

Como funciona?

Como o próprio nome já diz, o blockchain funciona através de blocos, por exemplo, quando uma pessoa X faz uma transação para uma pessoa Y, essa movimentação fica registrada nos chamados “blocos de informação”, você pode preencher o bloco com as mais diversas informações, quem, o quê, quando, onde, quanto e até mesmo a condição do ativo em questão – como a temperatura de um carregamento de remédios.

Assim que esse bloco atinge a sua capacidade máxima de informações, ele é fechado e ganha um “carimbo” de data e hora, conhecido como timestamp, e é empacotado com um identificador chamado hash. Ambos são responsáveis por garantir a ordem das transações, que se ligam de forma segura, evitando que qualquer um deles seja alterado.

Todos os blocos de informação são organizados de maneira sequencial, com isso cada novo bloco além de fortalecer o anterior também garante que não ocorram fraudes, já que os saldos dependem das movimentações passadas.

A blockchain segue o caminho inverso de uma conta bancária que armazena saldos que podem ser apagados dependendo do período em questão, pois a mesma registra apenas as movimentações e é imutável.


Existem quantos tipos de blockchain?

Atualmente existem diversas maneiras de desenvolver a blockchain podendo ser categorizadas por:

  • Blockchain Públicas | Como o próprio nome já diz, ela é aberta e qualquer um pode entrar e participar, um exemplo disso é o Bitcoin.
  • Blockchain Privadas | Semelhante a pública, porém com administradores que controlam aqueles que podem (ou não) participar;
  • Blockchain Autorizada | Esse é um fator que pode ocorrer tanto na pública, quanto na privada, onde a blockchain possui restrições em determinadas transações;
  • Blockchain de consórcio | Nesse cenário temos várias empresas que administram a blockchain e determinam quem pode receber e/ou enviar determinadas transações;

Você sabia que o Banco Útil utilizou a tecnologia do Blockchain na nossa apresentação LIFT Day do Banco Central em 2022? Aperte o play para conferir:

É mais segurança, transparência e rastreabilidade nas suas transações financeiras!

Quais os benefícios?

  • Maior confiança;
  • Dados corretos e pontuais;
  • Mais praticidade; 
  • Registros confidenciais compartilhados apenas com membros;
  • Mais segurança;
  • Precisão de dados;
  • Registros permanentes;
  • Maior eficiência;
  • Armazenamento automático; 
  • Mais transparência;

Esperamos que esse conteúdo possa ter te ajudado e caso tenha interesse de compartilhar outra dica, ou alguma dúvida não hesite em entrar em contato conosco.